Serro Azul e o universo compartilhado de Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares

Nesta segunda-feira, dia 12 de novembro, estreia “O Sétimo Guardião“, nova novela das nove da Rede Globo e mais recente criação de um rico universo compartilhado de personagens (e cidades) da carreira de Aguinaldo Silva.

A seguir, listo o caminho percorrido desde “Tieta”, lembrando como a obra do novelista (e seu parceiro Ricardo Linhares) se amarra em um mesmo mundo de realidade fantástica, muito antes do chamado Universo Marvel nos cinemas.

“Tieta” – Novela que Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares escreveram, em 1989, com Ana Maria Moretzsohn. Não era a estreia de Aguinaldo na realidade fantástica, que começou em 1985 quando assumiu o texto de “Roque Santeiro”, após a saída de Dias Gomes, mas era o primeiro universo criado por ele. Ali estava Santana do Agreste, uma cidadezinha do interior, em que personagens estranhos e lendas sobrenaturais convivem com a dura realidade brasileira. Personagens seriam citados em outras novelas, como o “Beco da Cinira” (Rosane Gofman), em “Meu Bem Querer”. A cidade também é oficializada como vizinha de Serro Azul em “Fina Estampa”.

Pedra Sobre Pedra” – Em 1992 o trio faz mais uma novela com uma cidadezinha do interior como foco, Resplendor, onde um homem vira pedra e uma árvore ganha flores misticas. O protagonista Murilo Pontes (Lima Duarte) voltaria para uma participação especial em “A Indomada”. Surge a informação da cidade vizinha, Serro Azul, em que personagens como Pilar (Renata Sorrah) e Bruno (Selton Mello) frequentam. Em “Meu Bem Querer” temos o “Largo Dona Francisquinha Queiróz” (Arlete Salles), uma homenagem do município de São Tomás de Trás para a delegada de Resplendor.

Fera Ferida” – Um ano depois, em 1993, o trio de autores apresenta a cidade de Tubiacanga, mais um município perdido entre a Bahia e Minas Gerais. Demóstenes (José Wilker), um corrupto inveterado, arruma uma forma de se livrar de um crime culpando o gerente do seu banco, que fica na cidade vizinha, Serro Azul. Em “Meu Bem Querer” temos um personagem da novela homenageado com a “Travessa Professor Praxedes de Menezes” (Juca de Oliveira). A realidade fantástica está presente em cenas como a de uma mulher que vira uma estátua de ouro.

“A Indomada” – Aguinaldo e Ricardo estreiam em 1997 uma trama repleta de realismo fantástico ambientada na cidade de Greenville, em que um homem cai em um buraco e vai sair só no Japão. Murilo Pontes (de “Pedra Sobre Pedra”) retorna, e dois personagens que surgiram nesta novela, Ypiranga Pitiguary (Paulo Betti) e sua esposa Scarleth (Luíza Tomé), voltarão em “O Sétimo Guardião”. E, apesar de Aguinaldo Silvia dizer que Serro Azul só aparece para valer na nova trama das nove, é nesta novela que vemos pela primeira vez a cidade vizinha: no Hospital de Serro Azul é que Sérgio Murilo (Cássio Gabus Mendes) recebe tratamento para seus problemas de saúde. Também é citado outros locais do município vizinho, como o Fórum de Serro Azul. Em “Meu Bem Querer” temos uma lembrança da grande vilã com a “Ladeira Altiva de Mendonça e Albuquerque” (Eva Wilma), que teria outra aparição em “Fina Estampa”. Por fim, guarde o nome do deputado Pitágoras Williams Mackenzie (Ary Fontoura), ele volta logo mais para este universo compartilhado.

Meu Bem Querer” – Esta novela escrita em 1998 por Ricardo Linhas, com supervisão de Aguinaldo Silva, uniu todas as cidades anteriores em uma mesma macrorregião. No primeiro capítulo, uma placa da estrada mostrava as distâncias das cidades vizinhas à São Tomás de Trás: Greenville e Tubiacanga. A fictícia São Tomé de Trás também era próxima de Resplendor e Santana do Agreste, por isto o prefeito e os vereadores do município homenagearam figuras importantes da região com nomes de ruas, praças e outros logradouros públicos, como já dei alguns exemplos nos tópicos anteriores.

Porto dos Milagres” – Ambientada na vila de pescadores de Porto dos Milagres, a trama de Ricardo Linhares e Aguinaldo Silva apresenta situações fantásticas, como a aparição de Iemanjá no mar. Novamente Serro Azul é a cidade vizinha, e é a novela – até então- em que o município mais é citado, inclusive com um bom local para compras, como diz Amapola (Zezé Polessa). O deputado Pitágoras Williams Mackenzie (Ary Fontoura), de “A Indomada”, retorna para uma participação especial e acaba se consolidando como personagem fixo. Surge ainda o Senador Victório Vianna (Lima Duarte), personagem que voltaria em “Senhora do Destino”. Rosa Palmeirão (Luiza Tomé) seria citada novamente, anos depois, no remake de “Saramandaia”.

Agora É que São Elas” – Nesta novela que Ricardo Linhares escreveu sozinho em 2003 temos agora duas cidadezinhas perdidas entre a Bahia e Minas, Santana de Bocaiúvas e São Francisco das Formigas, ambas com muito realismo fantástico, como o prefeito que fica roxo de alergia.

“Senhora do Destino” – Novela urbana de Aguinaldo Silva, de 2004, que resgata em seu final o Senador Victório Vianna, personagem de Lima Duarte em “Porto dos Milagres”. O autor queria trazer a vilã Nazaré (Renata Sorrah) de volta em “O Sétimo Guardião”, mas a personagem apenas é citada em “Fina Estampa”.

Fina Estampa” – Nesta novela de 2011, de Aguinaldo Silva, são diversas as citações. A trama se passa no Rio de Janeiro e a vilã Tereza Cristina (Christiane Torloni) parece conhecer Nazaré; além disto, Crô (Marcelo Serrado) cita o segredo da “Caixa de Perpétua” (de “Tieta”).  Por fim, o momento mais significativo ocorre quando Tia Ísis (Eva Wilma) e sua amante Alice (Thaís de Campos) resolvem se mudar para a cidade de Greenville, na última semana. Uma placa da estrada também indicava nas proximidades as cidades de Asa Branca (de “Roque Santeiro”, da qual Aguinaldo foi coautor), Tubiacanga, Resplendor e Santana do Agreste. Encerrando a cena, um diálogo de Eva Wilma, como Ísis, remetia a última fala da personagem Altiva em “A Indomada”: “Eu não disse que voltava“.

Saramandaia” – Em 2013, Ricardo Linhares assumiu a missão de escrever o remake de uma clássica novela de Dias Gomes, o mesmo autor da já citada “Roque Santeiro”. O município de Bole-Bole seria o pai das cidades com realidade fantástica do Brasil e é lá que uma mulher gorda explode e um homem solta formigas pelo nariz. Logo na primeira semana uma placa da estrada mostra três cidades vizinhas: “Greenville”, “Tubiacanga” e “Sucupira”, mais uma cidadezinha fantástica criada por Dias Gomes, para a novela “O Bem-Amado”. O município de “Serro Azul” é frequentemente mencionado pelos mais diversos personagens. Rosa Palmeirão (Luiza Tomé), de “Porto dos Milagres”, é citada por Risoleta (Débora Bloch), como uma cafetina da qual já foi sócia.

Previous Article
Next Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre o autor

David Denis Lobão