A recepção internacional da animação brasileira “Super Drags”

A série brasileira “3%” teve uma curiosidade: uma recepção melhor no exterior do que no Brasil. Enquanto sites especializados brasileiros criticavam o seriado da Netflix, portais estrangeiros elogiavam; fazendo a produção nacional não ser nem uma das dez mais maratonadas de 2017 no nosso país, enquanto foi a segunda mais maratonada dentre todos os países com o streaming, contando os dados mundiais da Netflix.

Será que o mesmo pode ter ocorrido com “Super Drags“? A animação brasileira foi muito criticada no Brasil, em que foi alvo de ataques de deputados federais, pastores e até mesmo da Sociedade Brasileira de Pediatria. Era para tanto? Não, afinal é um desenho para adultos, com clara indicação de censura liberada apenas para maiores de 16 anos e não disponível no chamado Netflix Kids.

No exterior ninguém ligou para estas polêmica, afinal, países desenvolvidos estão acostumados com animações focadas em adultos. Nos Estados Unidos temos “South Park” e “BoJack Horseman”, por exemplo, enquanto no Japão as opções são inúmeras, como “Let’s Dance With Papa”, que chegou a ser exibido dublado (e repleto de palavrões) na TV brasileira.

Dito tudo isto, vamos a exemplo de críticas internacionais ao desenho “Super Drags”. As três primeiras críticas foram escritas por jornalistas heterossexuais e a última por um homossexual.

Allyourscreens – Se você já pensou: “Cara, eu gostaria que alguém fizesse um mashup adulto de ‘Ru Paul’s Drag Race’ e ‘Powerpuff Girls'”, então eu tenho o show para você…
Admito prontamente que não sou o público-alvo de “Super Drags” e não tenho certeza se teria assistido a vários episódios se não tivesse planejado escrever esta crítica. Dito isto, vejo que haveria espectadores que olhassem para a série e achassem que era o programa de animação mais engraçado desde “Os Simpsons”. Isso é especialmente o caso do episódio três (dentre os cinco episódios desta temporada), que é intitulado “The Gay Cure”. No episódio, Ralph decide participar de um treinamento de “cura gay” depois que ele se assume para o seu pai e é rejeitado. É um episódio sincero e posso ver que o tópico ressoaria com muitos espectadores LGBTQ. É também um episódio que eu desejaria que não tivesse sido classificado como inadequado para menores, para que os adolescentes que precisam ver o episódio estivessem mais inclinados a sintonizar.

Wherever I Look – Para o grupo demográfico, classifico como positivo. No entanto, para aqueles fora do meio, a reação seria mista. No entanto, este show tão claramente não dá a mínima para quem não é do mio, mas dá as boas-vindas a eles. O que não quer dizer que não há espaço para melhorias. O equilíbrio entre as piadas e os momentos sérios precisa de trabalho, e conseguir alguma história de fundo para os personagens não faria mal. Mas este show tem apenas cinco episódios e é claramente um trabalho de amor. Daí o rótulo positivo. Enquanto o mundo grita diversidade, perdemos programas que atendem a certas culturas. No entanto, entre Pose e agora Super Drags, parece que o LGBTQIA está obtendo o melhor tipo de diversidade existente – vendo-se em múltiplas plataformas e em diferentes mídias. O tempo é de ter personagens que parecem velhos, jovens, gordos, magros, têm bundas gordas, nada de bunda, etc. Isso, além de abordar diferentes questões que a comunidade enfrenta, que podem ser encobertas em outros lugares, sem dúvida em alguns episódios de Super Drags também, colocado a questão de frente e no centro. Super Drags é algo para assistir, para fazer cócegas no seu corpo, soltar algumas lágrimas e levá-lo a extravasar de satisfação.

RSC! – Se você estava se perguntando como seria o RuPaul’s Drag Race com as PowerPuff Girls , então você veio ao lugar certo… Este é um show de alta-costura e “low brow”; uma celebração da cultura drag e gay. Super Drags é colorido, rápido e muito auto-reflexivo. Sem dúvida, isso provocará algum tipo de reação da direita conservadora (na verdade, já está sujeita a uma petição da Christian Film and Television Commission), mas é muito divertido, com um roteiro afiado e um grande número de gags visuais…Este desenho animado pode ser descrito como uma sátira, abordando uma série de questões, desde o fundamentalismo cristão, terapia de conversão gay, imagem corporal e, claro, discriminação gay. Apesar de se envolver em alguns temas bastante pesados, ele tem uma pitada liberal de piadas e nunca se leva muito a sério. Como um homem heterossexual, é importante reconhecer que eu não sou uma parte essencial da demografia pretendida deste desenho animado, então eu não sou a melhor pessoa para discutir como o show representa a cultura gay e a cultura drag. É provável que haja uma dissecação muito mais sutil de como isso se encaixa na mídia como uma expressão da comunidade LGBTQ + a ser escrita sobre isso, mas eu pessoalmente achei essa caricatura divertida e boba. Ele assume alguns problemas sérios e os enquadra com um senso tão claro de diversão que é impossível não se divertir com os Super Drags.

Gay Star News – Super Drags é um embaraço para a comunidade LGBTI? É uma caricatura tão terrível da cultura gay que meu estômago está queimando de medo… Este show é tão fundamentalmente ruim que eu posso sentir isso em meus ossos. Só de pensar nisso causa um terror tão abjeto à minha homossexualidade que eu posso sentir isso fugindo da minha alma através dos meus poros. É muito, muito, muito, muito, muito, muito, muito ruim… Eu sou um grande fã de humor de choque quando feito corretamente, mas esta é a forma de arte que se manifesta em seu sentido mais pueril… Tem um gosto muito ruim apenas dois anos depois dos tiroteios do Pulse. E tendo em vista o fato de o Brasil – que fez o desenho original – ter acabado de eleger seu presidente mais homofóbico em anos, é bastante embaraçoso… Se eu puder acordar brevemente deste pesadelo de ódio, tenho alguns elogios. Eu ri algumas vezes. A batalha final (eu vou estragá-la) onde as drag queens recebem robôs Power Rangers é legal. As transformações no Super Drags são realmente divertidas e algo que eu estava genuinamente ansioso para assistir todas as vezes… Eu brinco com meus amigos heterossexuais que as pessoas LGBTI têm a melhor cultura. Que os seus nunca podem competir. É um pouco divertido porque vivemos em uma sociedade profundamente homofóbica e transfóbica, por isso é bonito subverter as expectativas. Agora o que devo fazer? Eu faço uma pequena alfinetada e eles podem trazer Super Drags. Acabou. Esta é a teoria do Big Bang da cultura gay… Nós estamos oficialmente acabados. E é isso aí.

Previous Article
Next Article

Deixe uma resposta

Sobre o autor

David Denis Lobão